Depoimento - Jorge Ottoni

10/11/2017 Valter Ventura Depoimentos
0
Confira o depoimento do Prof. Jorge Ottoni quando da posse no seu atual cargo (Procurador TCM/RJ) em novembro de 2016 narrando as dificuldades na sua trajetória nos concursos:
 

Esse mês tomei posse no cargo de Procurador do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro, encerrando a minha carreira de "concurseiro". Foram 18 aprovações, 3 posses e agora o primeiro e último discurso de posse. Parece muito, mas a felicidade da foto esconde outros números muito maiores: anos de dedicação, milhares de horas de estudo, diversas derrotas, incontáveis decepções e erros cometidos nesse longo caminho.

Dizem que canceriano é sensível. Nunca liguei para signos, mas deve ser verdade mesmo...Chorei quando transcrevi as respostas de toda uma prova discursiva na página errada, me tirando dos primeiros lugares para o limbo dos eliminados (PGDF/2013). Chorei quando uma interpretação absurda da Vunesp na peça me tirou de 1° lugar no concurso da PGMSP 2014 e me lançou no cadastro de reserva. Chorei ainda mais quando caiu a ficha de que eu tinha largado o curso de formação da AGU/PGF 2014 (e, portanto, abandonado o cargo!) para prestar PGMSP no qual fui intelectualmente traído pelo examinador. Sobraram, ainda, algumas lágrimas para o corte de gastos do BACEN que resolveu travar as nomeações dos Procuradores, muito embora eu já tivesse até feito o curso de formação em Brasilía. Quando me dei conta de que havia gasto o pouco dinheiro que me restava comemorando as aprovações - que ganhei, mas não levei - já não tinha mais lágrimas...

Judicializei um desses concursos, me revoltei, reclamei de tudo, do tempo até do Papa. Pensei em voltar a advogar, que eu não merecia isso e etc...já estava atrás de escritórios quando tive a sorte de ver uma palestra de Clovis de Barros Filho em que ele reproduziu um adágio de seu pai: "Pra trás nem pra pegar impulso, seu bosta".
 
Me recompus e depois disso nada poderia me abalar. Enfrentei outras dificuldades: os concursos que eu queria não saiam (crise) e em um dos concursos dos sonhos (Procurador TCE/SC) nadei até a prova oral entre os primeiros colocados para assistir o barco naufragar com a anulação do concurso em razão de fraudes. Cada vez que o coração apertava eu lembrava "pra trás nem pra pegar impulso".

Canceriano que sou, voltei a chorar em 2015: entre uma dezena de aprovações, tomei posse em Ilhabela e depois na PGM Niteroi que me fez muito feliz até então. Hoje novamente as lágrimas rolaram soltas...mas dessa vez pela mais pura felicidade de saber que nada disso foi em vão.

Hoje sei que foram os fracassos que me tiraram o medo da derrota. Quando foi publicado o edital do TCM/RJ diversos amigos desaconselharam prestar o concurso, pois o investimento não compensava para correr atrás de apenas uma vaga de Procurador na concorrência ampla. "Eu só preciso de uma vaga", pensei. Aqui estou hoje provando para mim mesmo que sonhar sempre vale a pena, desistir dos sonhos jamais.

Pelas próximas décadas estarei no Tribunal de Contas me esforçando para entregar aos filhos e netos um Brasil melhor do que o de hoje. Obrigado a todos que me apoiaram no caminho e me perdoem pelo textao...mas é que é a última posse, e canceriano é sensível 😂.


Deixe seu comentário